Somos empáticos por natureza

Estamos acostumados a pensar no ser humano como um animal egoísta, que coloca sua necessidade à frente dos problemas do mundo e dos outros. Acontece que somos também empáticos e isso não é só conversa fiada. Essa habilidade já foi identificada e mapeada em nossa massa cinzenta.

No documentário A Revolução do Altruísmo, Martin Novak, professor de biologia e matemática na Universidade de Harvard, explica que a empatia é uma característica natural do ser humano e que nosso cérebro evoluiu para a colaboração. Ele acha que isso aconteceu porque entender o outro e trabalhar juntos faz parte da dinâmica essencial do bicho homem desde os primórdios.

Fico pensando se não seria o sentimento tribal que nos impede de pensarmos mais nas outras. O tribalismo, neste caso, é a sensação de pertencimento e fidelidade a um grupo específico (classe, famílias, igreja, empresa, etc). Talvez achemos, erroneamente, que temos mais em comum com o nosso “clubinho” do que com o resto da humanidade.

Acontece que a empatia é uma qualidade inata, está no centro do que nos faz humanos. Já o sentimento de tribalismo, embora também natural, se baseia em elementos superficiais como que roupa o outro veste, que ritual adota, para qual time torce.

Por isso, acho que insistir em nos separarmos por questões externas ao invés de nos unirmos pelo que nos torna iguais é só “o narcisismo das pequenas diferenças”, como disse Freud (nesta foto, citado por Yuval Harari).

Copy of BlogPostFotoModelo.png

O que você acha?

Mais sobre esse assunto.



 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços