Comunicação

Não tem tempo para ler notícia? Ouça matérias narradas!

Uns meses atrás eu salvei um artigo para ler e não completei a tarefa por dias e dias. Aquilo estava começando a me incomodar. Era um artigo da revista The Atlantic que afirmava com todas as letras que Trump era racista e porquê. A mídia e os analistas políticos americanos só falavam dessa matéria. E eu lá, perdida na história porque não tinha lido. Mas o texto era longo, páginas e mais páginas, quem tem tempo? 

Aliás, quem nunca salvou um artigo para ler depois e… nunca mais voltou ao link?

(Descrição da imagem: Mulher seleciona um conteúdo no celular. Ela está usando fones de ouvido ligados ao celular. A mulher está sentada no chão de madeira da sua casa)

As vantagens das matérias narradas

Meu problema com a The Atlantic foi resolvido em segundos quando descobri que a publicação disponibiliza narrações dos textos. O leitor tem acesso à versão escrita ou pode ouvir à matéria. Baixei o app, selecionei o artigo, e ouvi tudo enquanto lavava os pratos. 

Há alguns meses eu também comecei a trabalhar com matérias narradas. Depois de muito tempo procurando uma solução neste formato, encontrei e fechei parceria com a Vooozer. A empresa de Curitiba faz narrações de conteúdo para todo o Brasil, disponibilizando uma plataforma de envio e recebimento de arquivos para os clientes. Uma vez realizadas, recebidas e revisadas, as narrações podem ser postadas em sites e blogs. 

No momento, meu cliente Endovascular Brasil está usando a solução. O site do aplicativo já tem várias matérias narradas. Todos os áudios também podem ser baixados para serem ouvidos offline. Não é uma ótima forma de se atualizar mesmo com pouco tempo disponível?

Imagem: Pixabay / Creative Commons

 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Os melhores podcasts do mundo 

Onde você leu “os melhores podcasts do mundo”, leia “os melhores podcasts na minha humilde opinião”. Agora que tiramos a megalomania do caminho, posso dizer que, ano passado me tornei a louca dos podcasts. Assino uns 30 e ouço uns três por dia. Sigo tanto pods mais longos, com entrevistas e análises, e quanto outros mais curtos, com resumo das notícias do dia. Por isso, senti-me apta a sugerir meus favoritos: 

You are not so smart
O programa traz sempre entrevista com um ou mais pesquisadores sobre alguma nova forma de pensar. Em geral, as conversas são sobre sociologia ou psicologia da comunicação e as novidades da ciência nessas áreas. Detalhe “relevante”, a música de abertura é ótima.

Embedded
De toda a minha lista, o Embedded é um dos podcasts mais gostosinhos de acompanhar. A pauta do programa é espinhosa:  os bastidores dos negócios de Donald Trump, sua família e assessores próximos. Mas o formato faz com que a experiência de ouvir as matérias seja bem agradável.  Os repórteres criam uma narrativa bem resolvida. Não parece noticiário, parece que você está escutando alguém contar uma história muito interessante. Dá pra deitar no sofá e curtir.⠀

Podcasts

Pod Save America
Três comunicadores que trabalharam com Barack Obama se juntaram para fazer uma rede de podcasts (Crooked Media) e o principal produto da empresa é o Pod Save America. No programa, os três falam das últimas notícias políticas dos Estados Unidos de uma forma leve e despretensiosa. Até parece que você está numa roda de amigos.

ScienceVS
No ScienceVS, a jornalista Wendy Zuckerman escolhe uma ideia comum e vai atrás de evidências científicas para confirmá-la. Ou não. A última temporada discutiu comida orgânica, controle de armas, hipnose, ponto G, entre outros. O programa mistura ciência com humor tão bem que é impossível não aprender e dar risadas.

Ezra Klein Show
Geralmente, procuramos entrevistas com pessoas que gostamos. Nesse caso, eu gosto é do entrevistador. Ouvindo a esse podcast me peguei, várias vezes, pensando "que ótima pergunta" ou "que forma inteligente de abordar esse assunto". Ezra Klein é o fundador da Vox Media e, no programa, conversa pesquisadores, jornalistas  e estudiosos sobre temas atuais como a vida na Coreia do Norte, os impactos da tecnologia na nossa vida e feminismo.

The Bugle
Eles se denominam "um jornal em áudio para um mundo visual". É isso aí mesmo, sendo que é um jornal falso. O comediante Andy Zaltsman e seus convidados comentam as notícias da semana, inventam outras e destilam trocadilhos ruins. É risada garantida.

Mamilos
O melhor podcast do Brasil
, mas assim, de longe! O programa aborda temas difíceis e amplos sempre com generosidade e inteligência. Elas já falaram de autismo à Venezuela, de Handmaid's Tale ao paradoxo da tolerância.  As conversas são super do bem e procuram entender, explicar e discutir tudo com profundidade, mostrando diferentes lados.

Politiquês
É o podcast do jornal Nexo. Um programinha rápido no qual um conceito ou ideia política é explicada ao som de música brasileira atual e moderninha. As últimas edições falaram sobre o que faz um deputado, o que são medidas provisórias e a viabilidade de Marina Silva como terceira via no Brasil.

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Inteligência é como usamos a informação

Em entrevista ao podcast You Are Not So Smart, o neurocientista Dean Burnett parou um pouco antes de responder uma pergunta. A questão era: como você define inteligência?
Depois da pausa ele respondeu que, na sua opinião, existem dois tipos de inteligência: a fluida e a cristalizada. A diferença entre está na forma como armazenamos, acessamos e usamos a informação.

 

 

 

As duas formas de gerenciar informações

A inteligência cristalizada é como o hard drive de um computador”, explica Burnett. “É lá onde estão todas as informações, todos os dados, que você pode acessar e usar em qualquer momento”. Para o cientista, a inteligência cristalizada é tudo que já aprendemos e podemos lembrar. 

Já a inteligência fluida é como usamos todos esses dados. “É nossa habilidade de utilizar essas informações, de extrapolar, concluir, fazer conexões. É como o processador do computador” diz Burnett.

As duas inteligências em ação

Um exemplo da diferença entre as duas “inteligências” é a forma como usamos um língua estrangeira. Para o cientista, saber falar um idioma é um conhecimento cristalizado. Conseguir usar o entendimento de uma língua para concluir como uma palavra é dita em um terceiro idioma é a inteligência fluida em ação.

(Descrição da imagem: Capa do livro Idiot Brain. A capa mostra uma imagem de ilusão de ótica onde o desenho do rosto de um homem parece estar tanto de cabeça para cima como de cabeça para baixo)

Uma boa notícia

Sentimos que, com o tempo, vamos perdendo nossa capacidade de aprender ou de lembrar o que já sabemos. Mas o neurocientista diz que não é bem assim. Nossa memória até muda com a idade mas nosso “hard drive” nunca lota. “Ninguém viveu muito o suficiente para encher todo o cérebro”. 

Dean Burnett lançou, recentemente, o livro The Idiot Brain: A Neuroscientist Explains What Your Head is Really Up To (O Cérebro Idiota: Um Neurocientista Explica o que Nossa Cabeça Está Aprontando).

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Porque discutir na internet

Você discute na internet? Então, por favor, me fala: vale a pena? 
 
Sempre que quero rebater algum argumento na internet, fico com a mesma dúvida. Será que devo sequer “dar ibope” para certas bobagens ou é melhor ignorar?  
 
Algum tempo atrás, escrevi sobre como brigar na internet corretamente. Desde então, tenho observado que poucas conversas seguem as regras de etiqueta intelectual que eu citei lá. Alguns meses depois, escrevi sobre porque é difícil mudar a cabeça de alguém que pensa diferente, mesmo que esse pensamento esteja baseado em fatos errados, ou nenhum.  
 
Então, se poucos discutem com educação e argumentos, e se a conversa não vai fazer ninguém mudar de ideia, por que discutir na internet? 
 
Seria fácil dizer que simplesmente não vale a pena. Mas, por outro lado, a graça não é exatamente essa? A mágica da internet não é poder trocar ideia com todo tipo de gente, de qualquer parte do mundo? 
 
Eu acho que sim. Por isso gostei dos argumentos de Julia Galef para continuarmos “brigando”. Ela é produtora e apresentadora do Rationally Speaking, um podcast que eu adoro, e, recentemente postou a lista abaixo em seu blog. 
 
 
Razões porque pode valer a pena discutir com pessoas na internet, mesmo que você não tenha esperança de mudar a mente delas:  

  1. Para mudar a mente de espectadores menos comprometidos [com o argumento que você está combatendo].
  2. Para dar alívio e conforto aos espectadores que compartilham sua visão e desejam que alguém a defenda.
  3. Para dar um exemplo de "compartilhar uma opinião, mesmo que seja controversa", que é uma norma valiosa para se reforçar, mesmo se você não mudar a mente de ninguém sobre esse assunto em particular. 
  4. Para definir um exemplo de "argumentação educada e razoável", que é, novamente, uma norma valiosa por si só. 

 
Concordam? 
 
 (Austin Kleon discorda

Imagem: YouTube Think Big
 
 
 
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Tudo o que já conversamos na news

Dia desses, mexendo no Mailchimp, encontrei algo que eu tinha que compartilhar com vocês. 
Lá está disponível uma lista com todas as news que vocês já receberam de mim nos últimos meses. Foram 14 e-mails e muita alegria envolvida. Já falei que adoro fazer a news? Já, né? Eu falo isso o tempo todo. 

Um detalhe que me deixou com um sorrisinho no canto da boca foi a variedade de temas sobre os quais a gente conversou nesse tempo. Tenho orgulho da news ser essa salada de assuntos legais que no final acabam combinando.  

Eu acho que fake news tem tudo a ver controle de comentários que tem tudo a ver com esse jornal maluco que resolveu encarnar as notícias num teatro. 

O fato de estarmos inundados de dados faz com que a gente consuma notícias de forma errada. Talvez isso tenha tudo a ver com a nossa tendência de brigar na internet

O Conto da Aia combina com feminismo, que combina com ativismo pacifista.  

E Yuval Harari, que eu cito sempre, tem muito a ver com tudo isso. O best-seller dele se chama "Uma breve história da humanidade" , ora essa. 

Estamos aqui conversando sobre comunicação, arte, música, criatividade e tudo que surgir no caminho. Temos até uma news só sobre como conversar com estranhos pode ser legal! 
 
Enfim. Eu estou me divertindo, e vocês?
Mandem sugestões de pauta e comentários. 

É só clicar e assinar!

É só clicar e assinar!

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

O processo por trás da produção de uma newsletter

Todos os meses eu junto as ideias mais legais que garimpei por aí e envio em uma newsletter. Acho que o melhor da internet é a conversa, a troca, as sacadas, aqueles links interessantes que os amigos enviam. Então, quis participar mais desse bate-papo reunindo itens bacanas e os enviando para pessoas bacanas.

Ultimamente, bolar a news tem sido a minha tarefa favorita do mês. Eu adoro escrever e editar as notas. Por isso, fiz um videozinho para mostrar esse processo e convidar todo mundo a assinar.


Mas uma boa conversa flui dos dois lados, não é mesmo? Então, além de assinar, eu quero convidar todos a interagirem também. Falem o que vocês estão lendo, que podcast massa vocês descobriram, que inovação em comunicação vocês acharam incrível, que artista vocês acham que merece atenção.  Eu vou adorar receber tudo. Estou no twitter @suzanavalenca ou no email suzanavalenca@gmail.com.

Preencha os dados abaixo para assinar a news. Obrigada :)

Subscribe to our mailing list

* indicates required

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Como mudar a cabeça de quem pensa diferente

Você está conversando com um grupo de amigos e um deles começa a defender algum argumento político completamente errado. Mas não uma ideia que é ruim porque você acha que ela é ruim. Algo errado mesmo. Então você apresenta os dados científicos, históricos e estatísticos para provar que aquela ideia não está certa. A pessoa não se convence. Você começa a perder a paciência. "Não é uma questão de opinião, é um fato". Mas a pessoa insiste. Apela para o "isso é fake news". O que você faz?

Cientistas explicam porque é tão difícil mudar de ideia mesmo sabendo que ela está errada

Clay Johnson, no livro A Dieta da Informação, fala sobre como quanto menos um argumento político é baseado em fatos, mas difícil é mudar esse argumento usando fatos. Não é louco isso? Pensamos que é o contrário, mas não é. Se eu estou decidindo em que restaurante ir, mas não conheço muito nenhum deles, quanto mais eu souber sobre os estabelecimentos mais minha opinião vai se solidificar sobre o programa do final de semana, certo? Bom... mais ou menos.

Cientistas do Instituto de Cérebro e Criatividade da Southern California University explicaram em entrevista ao podcast You Are Not So Smart que certas crenças se comportam diferente em nosso corpo. Eles escanearam o cérebro de pessoas enquanto elas tinham suas ideias desafiadas. Dessa forma, descobriram que opiniões simples como qual restaurante é melhor mudam com a apresentação de fatos. Já ideias políticas, bem...

O que acontece no meu cérebro quando alguém desafia minha crença?

Os cientistas perceberam que o cérebro ativa uma área totalmente diferente quando vai processar um contra argumento sobre uma ideia política. Que área é essa? O local responsável por entender ameaças à nossa vida! Basicamente, termos nossas ideias fundamentais desafiadas estressa nosso cérebro ao extremo.

Isso é chamado de "backfire effect", o fenômeno de nos agarrarmos ainda mais a nossas ideias quando há fatos contrários a ela. É algo tão sério que os cientistas o compararam com um ataque de urso. O cérebro se protege do contra argumento como se ele fosse uma ameaça física e manda uma mensagem de perigo e defesa para o corpo.

Isso acontece porque nossas crenças políticas não só ideias que temos baseadas em fatos, que podem mudar e ser atualizadas a qualquer momento. Essas crenças, com o tempo, se tornam quem somos. Por tanto, uma ameaça a elas, são uma ameaça à nossa própria existência.

Não é maluco isso?

E então, como fazer alguém pensar diferente?

Segundo os cientistas, essa reação é normal. Nosso cérebro simplesmente funciona assim e não temos como escapar. O que podemos fazer é estar cientes desse fato sempre que tivermos nossas ideias desafiadas e sempre que formos desafiar a ideia de alguém. Será que não estamos ficando nervosos na roda de conversa porque "tem um urso nos atacando"? Será que não estamos colocando "um urso" atrás de alguém quando na verdade queremos só discutir uma ideia?

Uma boa orientação sobre como fazer isso é seguir as regras deste vídeo:

Basicamente, o que o vídeo diz é que todos nossos tendemos a pensar no bem estar de outras pessoas. Crescemos aprendendo sobre como é importante sermos educados e gentis com os outros. Para a School of Life, algumas ideias políticas mais radicais podem ser amenizadas se apelarmos para este impulso humano de sermos bons uns com os outros. Outra orientação dos neurocientistas é acabar com o estigma de estar errado. Para eles, é importante darmos espaços para as pessoas mudarem de ideia. Precisamos!

 

Mais sobre esse assunto: 

A forma como lemos notícia não é saudável
Como brigar na internet (corretamente)

Imagem: Pixabay / Creative Commons /You Are Not So Smart
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Trocando ideia com quem pensa diferente

Por que, às vezes, parece ser tão difícil conversar com as pessoas? Por que o que é tão óbvio para a gente não faz sentido para o outro? Parece que, com tanta ferramenta de comunicação no mundo, ficamos mais distantes porque ninguém mais sabe dialogar.

Eu que trabalho com mídia fico extremamente angustiada em perceber que nossas conversas online, que poderiam ser tão interessantes, acabam virando só briguinha do Facebook. E sempre penso sobre como essa falta de diálogo afeta nossa forma de entender e agir sobre as notícias que lemos.

Vocês também têm essa angústia?

Há algum tempo fiquei feliz em encontrar um bom antídoto para esse sentimento. Eu achei um podcast lindo que quero recomendar para todo mundo, o With Friends Like These. A ideia deles é exatamente colocar “opostos” para conversarem, mas não em um debate daqueles que logo viram um barraco. Em cada episódio eles ouvem um ponto vista individualmente e buscam, de verdade, dar espaço e compreender.
(Coloquei opostos entre aspas porque diferentes não são necessariamente um contra o outro, não é mesmo?)

No primeiro episódio, a apresentadora do podcast, Ana Marie Cox, uma jornalista branca liberal, conversa com um pastor conservador sobre a eleição de Trump. A missão não é falar mal do presidente dos EUA (essa seria a parte fácil), mas ouvir e entender os motivos que levaram o religioso e a sua comunidade a elegerem o candidato republicano. 

É um podcast difícil de ouvir, às vezes, e força o intelecto a sair da zona de conforto.

Num outro episódio, Cox entrevista um jornalista negro e discute questões raciais. No mais recente, e o meu favorito, o podcast conversa (e ouve!) um homem gay que atua na igreja protestante sobre como ele concilia as duas coisas. 

Os programas são sempre interessantes, Cox é uma mulher super inteligente e a ideia de dialogar com o diferente rende ótimos aprendizados. Recomendo.

Mais sobre diferenças: 
Nossas Múltiplas Identidades 
Mais sobre rótulos e preconceitos
Como brigar na internet
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Nossas múltiplas identidades

Para Johnnetta Cole, a diretora do  Museu Nacional de Arte Afro Americana, “nosso mundo seria muitíssimo melhor se nós pensássemos e interagíssemos uns com os outros em termos das nossas múltiplas identidades”.

As múltiplas identidades ser humano.

O que ela detalha é que estamos muito acostumados a rotular os outros e a tentarmos, nós mesmos, nos encaixar em padrões. Até certo ponto, isso é normal. Mas é muito mais correto e interessante vermos uns aos outros como mais do que só uma ou outra identidade.

O post sobre o depoimento dela que estava aqui no blog foi parar na revista Trendr. Em abril, a publicação está reunindo artigos de vários autores para discutir o tema #VivaADiferença. Checa lá! Além do meu próprio texto, recomendo conferir as outras produções do mês. Tem muita ideia legal por lá. 
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços