Acompanhe a maior conferência de startups do Nordeste

Amanhã (13/09), será realizada a terceira edição da maior conferência de startups do Nordeste, a Mangue.Bit.

Eu estarei por lá fazendo a cobertura e conhecendo as novidades. Você pode acompanhar tudo pelo Facebook ou Instagram da Manguez.al, a comunidade empreendedora do polo digital do Recife.

Arte para a Mangue.Bit feita pelo  Estúdio Cargo , que faz parte da comunidade empreendedora.

Arte para a Mangue.Bit feita pelo Estúdio Cargo, que faz parte da comunidade empreendedora.

Tudo sobre a Mangue.Bit

Com um dos maiores ecossistemas de startups da América Latina, o Brasil é um celeiro e inovações tecnológicas. De acordo com dados da Associação Brasileira de Startups o país tinha em 2017 mais de 5 mil empresas com este perfil - um número que pode duplicar em 2018. Assim, é cada vez mais importante que empresas se conectem e troquem experiências em um ambiente tão fértil.

Dentro desse cenário, fomentar as conexões entre as empresas é fundamental. É com este objetivo que empreendedores pernambucanos promovem a Mangue.Bit 3.0. O evento será dia 13 de setembro no Armazém Itaipava Armazém 14, das 9h às 17h. O objetivo é promover um ambiente fértil para troca de conhecimentos e negócios com as melhores empresas do cenário brasileiro de inovação.

Mangue.Bit 3.0

13 de setembro de 2018

Das 9h às 17h

No Armazém Itaipava 14 - Recife Antigo

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Não existe mais censura. O problema agora é outro

Estamos tão inundados de informações que a censura deixou de fazer sentido como uma forma de controlar os que as pessoas sabem ou não. Quem defende essa ideia é o historiador Yuval Harari, autor do campeão de vendas Sapiens. 

A revista Wired publicou trechos do próximo livro de Harari. Neles, o israelense fala sobre como educar as crianças de hoje para que elas sejam capazes de trabalhar e entender o mundo em 2050. 

Para dar essas habilidades à nova geração será preciso repensar a forma como passamos adiante nossos conhecimentos. Para Harari, até pouco tempo, o desafio era superar a falta de informação. Hoje, temos que lidar com o excesso dela e ele acha que será assim também no futuro.

Aí é que entra a questão da censura. Harari argumenta que governos, regimes ou instituições não conseguem mais bloquear que informações chegam até os cidadãos. Não dá mais para fazer isso. A nova tática então, é se aproveitar do excesso. Em vez de censurar uma notícia, faz mais sentido criar uma notícia falsa.

Yuval Harari - Foto:  site oficial  

Yuval Harari - Foto: site oficial  

“No século XXI, estamos inundados por enormes quantidades de informação e, até mesmo os censores, não tentam bloqueá-las. Em vez disso, eles estão ocupados espalhando desinformação ou nos distraindo com irrelevâncias. Se você mora em alguma cidade pequena do México, pode passar muitas vidas lendo a Wikipédia, assistindo às palestras do TED e fazendo cursos on-line gratuitos. Nenhum governo pode esperar esconder todas as informações das quais não gosta

Por outro lado, é alarmantemente fácil inundar o público com informações conflitantes e comentários negativos. Pessoas de todo o mundo têm acesso com um clique às últimas notícias sobre o bombardeio de Aleppo ou sobre o derretimento das calotas polares no Ártico, mas há tantos relatos contraditórios que é difícil saber em que acreditar. Além disso, inúmeras outras coisas estão a apenas um clique de distância, o que dificulta a concentração, e quando a política ou a ciência parecem muito complicadas, é tentador mudar para vídeos de gatos engraçados, fofocas sobre celebridades ou pornografia.

Em tal mundo, a última coisa que um professor precisa dar aos seus alunos é mais informação. Eles já têm muito disso. Em vez disso, as pessoas precisam da capacidade de dar sentido à informação, de dizer a diferença entre o que é importante e o que não é importante e, acima de tudo, combinar muitas informações em uma visão ampla do mundo”.

O que você acha?
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

O que é fake news segundo o Facebook 

Recentemente, o Facebook divulgou um vídeo mostrando o trabalho da equipe contratada pela empresa para combater as fake news e as páginas falsas na plataforma. O esforço ainda está no começo mas, as bases técnicas para as ações já foram definidas e parecem bem interessantes. Um destaque é como o Facebook define fake news.

Para começo de conversa, os funcionários que aparecem na divulgação evitam o termo “fake news”. Eles falam de “notícias falsas”, “informação errada” ou “desinformação”. Muitos veículos têm feito o mesmo, já que o termo passou a ser usado para atacar a imprensa. A empresa admite que há muito conteúdo que pode ser encaixado nesses rótulos e que determinar o que é ou não “falso” é muito difícil. 

Os quatro tipo de posts de acordo com veracidade e intenção

Eduardo Arino de la Rubia, gerente de ciências de dados do Facebook, explica essa dificuldade no vídeo. Ele mostra o problema usando um gráfico onde, no eixo horizontal temos o nível de verdade de uma informação e, no vertical, temos uma escala da intenção de enganar. No cruzamento dos dois elementos, os dados e a motivação, vamos encontrar a medida de quão perniciosa é a postagem. Ele divide esse gráfico em quatro. 

A parte de baixo é a mais tranquila. No canto inferior esquerdo temos post com pouca verdade, mas também, pouca intenção de enganar. “Isso é só estar errado na internet, acontece”. No canto inferior direito, estão as postagens com informações bastante corretas e com baixa motivação de enganar. “Espero que aconteça um dia”, brinca Rubia.

É na parte de cima que a coisa fica feia, pois há intenção de enganar ou, no mínimo, de confundir. 

O canto superior direito tem posts com muita verdade, mas também, muita intenção de levar o leitor a uma certa conclusão. Atenção: não é notícia falsa. É informação manipulada. “É propaganda”, diz Rubia. Um bom exemplo dessa situação são postagens com dados estatísticos corretos, mas tirados de contexto para induzir o leitor a uma determinada interpretação. 

E então, a pior parte. O quadrante superior esquerdo, onde estão os posts com pouca verdade e muita intenção de enganar. Estas são as “notícias falsas” propriamente ditas. “Esses são os conteúdos pensados para serem virais, são as mentiras fabricadas”, explica Rubia.

Combatendo as notícias falsas

No vídeo, o gerente de dados, diz que o Facebook tem que acertar no combate a esse último tipo de post. O restante, para ele, estaria no campo da liberdade de expressão, uma área na qual a rede social não quer entrar. Isto porque o Facebook luta para manter o status de plataforma neutra. A filosofia é que não cabe à gigante controlar o que é postado, apenas oferecer o espaço e deixar que os consumidores decidam por si. O Facebook está agindo e mostrando (um pouco) o que eles estão combatendo e o que estão “deixando passar”. O resto, é com a gente.
 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Busque a rejeição

Para Seth Godin, ter uma ideia rejeitada pode ser algo positivo. Ele diz que toda ideia inovadora será rejeitada no começo. Se tudo que fizermos estiver sendo aceito, isso quer dizer que não estamos fazendo nada que já não tenha sido feito antes. Isso é particularmente verdade para projetos criativos.

Eu gostei muito desse pensamento de Godin. Por isso, fiquei feliz quando vi esse post da artista Amber Rae. Veja como ela usou esse ensinamento: 

“Há algumas semanas, passei por uma rejeição que foi tão difícil de engolir que me deixou sentindo como se eu fosse desmaiar, ou vomitar, ou os dois. Quando eu estava recuperando o fôlego, peguei o telefone e mandei uma mensagem para minha amiga escritora @tmfproject, que disse exatamente o que eu precisava ouvir.

Ela disse: “Você é pode ser um pessoa que ou ama a cor rosa ou uma pessoa que não suporta a cor rosa. Isso não quer dizer que tenha nada de errado com a cor rosa. É só a nossa preferência que faz a gente amar ou odiar ela. Não seria triste se o rosa não existisse porque uma pessoa não gostou dela? Ou se o rosa tentasse ser uma versão desbotada dela mesma?

Amber Rae contando essa história - Busque a rejeição

Amber Rae contando essa história - Busque a rejeição

As palavras da minha amiga me lembraram que quando pode ser polarizador falarmos nossa verdade e criarmos coisas que refletem nossas preferências. Algumas pessoas vão odiar. Outras vão amar. E isso é, na verdade, algo bom.

Como aprendi com Seth Godin, quando trabalhei com ele há alguns anos, aquilo que criamos não precisa ser para todo mundo. Se tentarmos agradar todo mundo, vamos fazer algo mediano. Ao invés disso, podemos procurar maravilhar e deleitar aquelas pessoas que querem embarcar em uma jornada conosco. Com essa mudança de paradigma, eu lembrei de ver a rejeição com uma força de ajudando a me alinhar mais profundamente com as minhas pessoas, como um sinal de que eu estou fora da minha zona de conforto e de que estou crescendo.

Porque nós sempre temos uma escolha: podemos fugir dos riscos e tentar ganhar todo mundo ou podemos ter a ousadia de falar nossa verdade e deixar a nossa vida ser um reflexo disso”

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

A melhor forma de não produzir é tentar fazer um produto perfeito

Acontece assim: plim, uma ideia surge. Você quer colocá-la em prática. Mas aí, surge a dúvida, qual a melhor maneira de prosseguir?  E quando você menos espera, a ideia já até perdeu a graça de tanto que você se preocupou com a forma perfeita de executá-la.

Onde tem “você”, leia-se “eu”.

Procurar a melhor forma pode só atrapalhar

Eu já deixei de produzir muita coisa porque achei que não estava tão bom assim. Você também?

Por isso gostei dessa historinha que li no site do CopyBlogger:

Em um churrasco, amigos observam uma das convidadas dando comandos aos seus cachorros em várias línguas. Um deles lamenta. Queria muito aprender a falar outro idioma, mas fica travado pois acha que é preciso traduzir palavra por palavra e esse método nunca funciona.

“Essa experiência reverberou em mim e pensei sobre como essa mesma perspectiva pode aparecer em outros aspectos da vida e dos negócios. 

Quando saímos da nossa zona de conforto, frequentemente, queremos um guia, uma série de passos a seguir. 

Esses passos são necessários no início, mas grandes saltos criativos acontecem quando você começa a atuar com mais fluidez.  Quando você para de olhar para a sua empreitada como se estivesse traduzindo uma nova língua palavra por palavra.

O desejo de aprender a melhor forma, geralmente, nos leva a fazer infinitas perguntas quando deveríamos estar tentando produzir por nós mesmos”

Não existe a melhor forma

A conclusão da história é que, assim como um idioma, a criatividade não é linear. Então, não existe a forma ideal de produzir. Talvez existam métodos melhores que outros, mas o melhor jeito de descobrir é colocando a mão na massa.

BlogPostMelhorForma.png

Minha produção criativa é esta aqui. Escrever textos sobre comunicação. Já quebrei muito a cabeça pensando na melhor forma de executá-los. Agora, quero me comprometer a fazê-los. Tentarei não fazer textos ruins, mas também vou me esforçar para não perder muito tempo pensando nisso.

Mais sobre o tema
Feito é melhor do que perfeito
 

Imagens: Pixabay e CopyBlogger 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Vamos fazer comunicação do bem?

Você está enlouquecendo na internet? Eu também.
Não entende como é que pode tanta briga e desentendimento? Eu também.
Por isso quero deixar um convite: vamos fazer uma comunicação do bem?
Tenho estudado bastante sobre como o nosso cérebro lida com a informação, como nossos vieses complicam o diálogo, como as redes sociais potencializam tudo isso. Estou fascinada com o que tenho aprendido e animada para dividir tudo isso por aqui. Vamos nessa?

Comunicação do bem

Por estímulo (obrigação) do curso que estou fazendo sobre empreendedorismo para jornalistas, tive que pensar no propósito do meu trabalho. Além da necessidade humana de pagar contas, o que me faz produzir? Nesse exercício, a resposta super óbvia para mim foi: fazer comunicação do bem. 

Eu ainda não cheguei à uma definição única para esse conceito. Mas é a pergunta que está me movendo, ultimamente. E é esse desafio que eu quero dividir com você. Vamos pensar juntos o que é uma comunicação inteiramente do bem? Uma comunicação que agregue e não divida. Que informe sem encher o consumidor de dados que ele não consegue processar. Que ajude na conversa e não na briga. Que promova o entendimento e não só o “ganhei a briguinha no Facebook”.

Tenho milhões de ideias de conteúdo sobre tudo isso e quero contar com você na discussão.

BlogPostComunicacaoDoBem.png

Comunicação do bem para empresas

A provocação do curso também me fez pensar em como traduzir essa filosofia para ajudar empresas a se comunicarem melhor. Claro que toda marca quer vender. Mas como vender sem ser chata, respeitando as pessoas, e sendo uma força do bem no mundo?

Também tenho várias ideias nessa área também.

Vamos nessa?

Por enquanto, eu queria começar apresentando o conceito. A #ComunicacaoDoBem será o guia do que virá por aí. E você está convidado.

Imagens: Pixabay e Nappy

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Plataforma gamificada promove o diálogo amigável entre divergentes

Você acha que estamos nos comunicando melhor ou pior ultimamente? Metade de mim enlouquece com o tipo de discussão que vemos no Twitter ou no Facebook. E a outra metade está fascinada por estudar formas de melhorar isso. Então, fiquei muito feliz quando descobri a #vamosconversar, uma plataforma para promover diálogos mais amigáveis entre pessoas que pensam diferente.

A iniciativa foi criada pelas jornalistas Ana Addobbati e Janaína Lima durante uma imersão de 48 horas em Human Centred Design, com apoio do Sistema Jornal do Commercio, no Recife, em outubro de 2017. Eu fiquei curiosa para entender melhor a ideia e mandei um email para elas perguntando. Olha só o que elas disseram:

O que é a plataforma #vamosconversar?

A plataforma é um dos dez projetos acelerados no primeiro New Ventures Lab, promovido pelas Chicas Poderosas no Brasil. O laboratório de novos negócios apóia mulheres envolvidas em iniciativas de mídias digitais independentes.

A #vamosconversar surgiu a partir da identificação da polarização político-ideológica existente nas conversas atuais da comunidade digital. “Durante a pesquisa com o público, detectou-se que as conversas estão sendo majoritariamente conduzidas para fóruns privados, por medo da ação dos haters – opositores ideológicos que se protegem através do computador para atacar quem pensa diferente”, explica Ana Addobbati.

Ilustração de  Inês Barracha  para a  Chicas Poderosas .

Ilustração de Inês Barracha para a Chicas Poderosas.

A dificuldade de sair da bolha

As jornalistas identificaram a indisposição dos internautas de sair de suas “bolhas” para conversar ou absorver informação de fontes que não estejam em seus círculos de amizade e partilhem seus pontos de vista. O grande problema é que as bolhas isolam as pessoas, impedindo o diálogo construtivo e a troca de ideias. “Isso tem gerando um ciclo infindável de ouvir apenas o nosso similar, bloqueando o acesso ao debate qualificado e à pluralidade de ideias”, explica Janaina.

Inteligência artificial ajudando na conversa

A ideia do #vamosconversar é desenvolver uma plataforma de matchmaking, que irá conduzir opositores no campo das ideias para um debate, cuja qualidade dos participantes será medida pela capacidade de argumentação, dados, fontes validadas e a ausência de ofensas. O melhor debatedor será premiado. A solução está pensada para usar gameficação e inteligência artificial. Toda a mediação das conversas será feita por um bot.

E aí?

Eu achei a ideia muito boa!  E você, o que acha? Toparia sair da bolha para conversar com um “opositor” com a ajuda da tecnologia?

Mais sobre o tema:

Como brigar na internet

Como mudar a cabeça de quem pensa diferente

Trocando ideia com quem pensa diferente

Porque discutir na internet

Com informações do #vamosconversar

Imagem do cabeçalho: Nappy

 

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Está insatisfeito com a imprensa? Pague por ela.

“Como posso dizer à mídia que não queremos ver notícias que mais parecem um reality show, que queremos substância, que esperamos um jornalismo atento? Como podemos ter algum impacto na mídia?” 

Essa pergunta foi feita para Tommy Vietor, ex-porta-voz do departamento de segurança nacional dos EUA durante a gestão de Barack Obama e, hoje, podcaster e fundador da Crooked Media. Quem se identifica com essa angústia? Eu, me identifico. E você?

Em geral, nós estamos estamos insatisfeitos com a imprensa. Achamos que nossos veículos de notícia são tendenciosos e estamos cansados de ver “matérias” sensacionalistas. Mas como resolver esse problema? Para Vietor, a solução está no seu bolso.

Sem titubear, ele deu a seguinte resposta para a pergunta acima. “É fácil. Pague por conteúdo bom. Não assista a conteúdo ruim”. 

Vietor, do Pod Save America, acha devemos pagar por bom jornalismo online.   (Descrição da imagem: Ex-porta-voz do governo Obama está sentado em uma poltrona e sorri enquanto apresenta seu podcast)

Vietor, do Pod Save America, acha devemos pagar por bom jornalismo online. 

(Descrição da imagem: Ex-porta-voz do governo Obama está sentado em uma poltrona e sorri enquanto apresenta seu podcast)

Ok. Eu, você e, certamente também, Vietor, sabemos que não é tão simples assim. Mas está claro que precisamos apoiar o jornalismo bem feito. Vamos fazer isso?

Escolha um veículo (ou repórter) que você acha interessante e estreite a relação com ele. Mande sugestão de pauta, faça perguntas, compartilhe conteúdos, elogie. E, principalmente, pague pelo conteúdo. Existem várias plataformas de jornalismo independente que merecem seu dinheiro. 

Esses são alguns dos veículos que apoiei (com dinheiro!) recentemente:

AzMina
Nexo
Marco Zero

Vamos nessa? 

Imagem: Pixabay e Wikipedia

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços