Rejeicao

Busque a rejeição

Para Seth Godin, ter uma ideia rejeitada pode ser algo positivo. Ele diz que toda ideia inovadora será rejeitada no começo. Se tudo que fizermos estiver sendo aceito, isso quer dizer que não estamos fazendo nada que já não tenha sido feito antes. Isso é particularmente verdade para projetos criativos.

Eu gostei muito desse pensamento de Godin. Por isso, fiquei feliz quando vi esse post da artista Amber Rae. Veja como ela usou esse ensinamento: 

“Há algumas semanas, passei por uma rejeição que foi tão difícil de engolir que me deixou sentindo como se eu fosse desmaiar, ou vomitar, ou os dois. Quando eu estava recuperando o fôlego, peguei o telefone e mandei uma mensagem para minha amiga escritora @tmfproject, que disse exatamente o que eu precisava ouvir.

Ela disse: “Você é pode ser um pessoa que ou ama a cor rosa ou uma pessoa que não suporta a cor rosa. Isso não quer dizer que tenha nada de errado com a cor rosa. É só a nossa preferência que faz a gente amar ou odiar ela. Não seria triste se o rosa não existisse porque uma pessoa não gostou dela? Ou se o rosa tentasse ser uma versão desbotada dela mesma?

Amber Rae contando essa história - Busque a rejeição

Amber Rae contando essa história - Busque a rejeição

As palavras da minha amiga me lembraram que quando pode ser polarizador falarmos nossa verdade e criarmos coisas que refletem nossas preferências. Algumas pessoas vão odiar. Outras vão amar. E isso é, na verdade, algo bom.

Como aprendi com Seth Godin, quando trabalhei com ele há alguns anos, aquilo que criamos não precisa ser para todo mundo. Se tentarmos agradar todo mundo, vamos fazer algo mediano. Ao invés disso, podemos procurar maravilhar e deleitar aquelas pessoas que querem embarcar em uma jornada conosco. Com essa mudança de paradigma, eu lembrei de ver a rejeição com uma força de ajudando a me alinhar mais profundamente com as minhas pessoas, como um sinal de que eu estou fora da minha zona de conforto e de que estou crescendo.

Porque nós sempre temos uma escolha: podemos fugir dos riscos e tentar ganhar todo mundo ou podemos ter a ousadia de falar nossa verdade e deixar a nossa vida ser um reflexo disso”

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços

Tomara que sua ideia seja rejeitada

Vou dizer logo que eu divido a chatice do título com Seth Godin pois, foi inspirada em um texto dele que eu escrevi isso aí. Mas, como eu e ele somos legais, é importante explicar que eu digo isso para o seu bem. Então vamos lá conversar sobre como rejeição pode ser bom.

No seu blog, Godin, o famoso autor de vários livros de negócios, disse o seguinte:

“Se você procura mudar ou faz algo importante, seu trabalho será rejeitado ao longo do caminho. Isso não está em discussão”.

Ele queria argumentar sobre como agir diante de um “não” na carreira. Mas acho que a própria contextualização da rejeição é interessante. O que ele diz é que se a sua ideia for inovadora, provocadora, diferente, relevante, em outras palavras, importante, ela será rejeitada. Pelo menos, inicialmente. Ponto final, ele não vai nem discutir isso. É fato.

A minha interpretação é que, por mais que a aceitação fácil seja ótima, ela pode ser arriscada, pois talvez você esteja apenas repetindo o que foi feito antes. E, por outro lado, o contrário também deve ser verdadeiro. Que as ideias mais rejeitadas, mais difíceis de emplacar, sejam talvez as mais interessantes.

A carinha simpática de Seth Godin. ( Slate )

A carinha simpática de Seth Godin. (Slate)

Estou lendo a biografia do neurologista Oliver Sacks e ele parece ter topado com esse problema durante a carreira. Estudando ou participando ativamente das últimas pesquisas na área, Sacks teve seus primeiros livros recusados por várias editoras e publicações especializadas. Fico com a impressão que os outros profissionais da especialidade dele ficavam receosos da ousadia (e brilhantismo) de Sacks. 

“Passei um mês e meio na casa dos meus pais, onde escrevi os nove primeiros relatos de caso de Tempos de Despertar. Quando apresentei aos meus editores na Faber & Faber, disseram que não estava interessados. Também escrevi um manuscrito de 40 mil palavras sobre tiques e comportamentos pós-encefalíticos [...] e planejei um tratado. Também foi rejeitado pela Faber”

Depois de vários “nãos”, Tempo de Despertar foi publicado, virou documentário e, posteriormente, um filme, com Robin Williams fazendo o papel de Sacks. Somente.

A melhor foto de Oliver Sacks e Robin Williams juntos! ( Tampa Bay Times )

A melhor foto de Oliver Sacks e Robin Williams juntos! (Tampa Bay Times)

Então, dois pedidos. Um, vamos tentar colocar nossas ideias “estranhas” no mundo. Com sorte, elas serão rejeitadas. Assim, poderemos seguir as orientações de Godin e produzir algo relevante. Dois, vamos dar chance para as esquisitices dos outros. Quando você vir alguém divulgando algo meio sem jeito, tenha paciência, talvez dessa parada ruim saia algo revolucionário. 

Imagem do cabeçalho: AgencySpark

 


Vamos conversar no twitter@suzanavalenca

Adoro o Instagram. Vamos nessa? @suzanavalenca ou @3girlsabunchofbook

Precisa de produção de conteúdo para a internet? Conheça meus serviços